Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artimanhas do Diabo

Artimanhas do Diabo

Escolhas

mascara.jpg

Escolher

Tramitar

Enveredar

Apoiar

Solidificar

Viver!

 

Esta máscara

Indomável

Infindável 

que nos cobre o rosto

Oculta-nos as feições

E esconde as nossas verdadeiras intenções;

Máscara

Que vai assassinando  

À distância  

Sem revelar

O semblante do exterminador  

Que nunca assume as ações 

Destituídas de razão

Eivada de uma imensa loucura!  

Os olhos revelam-se

Deslumbrantes

Cintilantes

Sedutores

Refletindo cogitações

Que nos acicatam interiormente,

Mas contemplar assim

O mundo

Como tu o fazes

Naquele brilho azul

Gélido

É tétrico 

É ardil

Voraz   

que faz de ti um carcereiro

Que não quer a nossa liberdade

Para não perder a sua 

Mantende-nos aprisionado na masmorra!

Fazes razão de vida

Deleitas-te na fé,

Na solidão

Que é onde eu moro

Vida empedrada

Difícil e espinhosa subida

Não se amofina com o silêncio

Não se esgota

Em vagos aplausos e reverências

De ocasião

Ri-se

Dos ardis

Dos que buscam

Apenas

Ser

O que o Sol é para a Terra

Mas não há Homem

Que se compare a essa estrela

Tão magnânima

Como essencial

E que tanta vida dá

Na Terra! 

Não foi em vão que não avistei as papoilas

 

Santuario-de-Nossa-Senhora-da-Visitacao-Montemor-o

 

Montemor-o-Novo o destino

Fiz-me à estrada

Galguei quilómetros

Serpenteie serras

Domadas por autoestradas

Desci à lezíria; 

Para trás a floresta

Vigiada por Melros

E, de quando em quando,

Um cuco

Que se fazem ouvir neste norte

Carregado de prontidão

Porém,

Em plena várzea

Já não ouço os mesmos melros e cucos  

Mas,

Chega até mim esse som inconfundível

Das aves que,

Aos milhares,

No bulício dos dias

Atraem os caçadores

Que as vendem à socapa

Nos mais variados sítios.

Ainda o Alentejo não se vislumbra e anuncia

E os desejos

Os meus desejos

Mais indeléveis mas tão premiáveis    

Fazem-se ouvir neste meu cansado interior

Onde o silêncio impera há muito: 

Campos a perder de vista

A verde

Tigrados de vermelho

Que se balançam

Na ode cantada de um vento

Que quer fazer das papoilas exímias bailarinas;

Mas tão imperial desejo  

Não se cumpriu

Este ano em abril...

Não havia papoilas no Alentejo

Havia sim

Esses barqueiros da planície

Tão diretos e leais

Que acabaram por me levar

Ao Santuário de Nossa Senhora da Visitação

Onde milhares de imagens pululam as paredes

Do que podia ser

Mas não é

A sacristia

De onde ressaltam as mais variadas ofertas dos devotos!

O santuário

Implantado naquela colina

É o farol incansável 

Que vigia a linda cidade de Montemor-o-Novo!  

O santuário?

Mostra-se ao mundo

Naquele branco

Cinzelado

Pelos traços da firmeza de um forte azul

Que me acalmam da ausência das papoilas

E casam na perfeição desta minha visitação

Que bem podia ser celebrada

Com o vermelho das papoilas

Mas que o foi

Com o branco e o azul

Ao estilo 

Manuelino-mudéjar

Do expressivo santuário  

Que alberga duas culturas  

Tão caras ao Alentejo!  

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub