Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Artimanhas do Diabo

Artimanhas do Diabo

A RIA

Alguns chamam-lhe

Simplesmente

Ria

Outros

Barrinha

Outros

Lagoa

Já houve até quem lhe chamasse

“Gafeira”*

 

Uma sedutora sereia

De longa cabeleira dourada

Acabadinha de vir do mar  

Submerge das águas calmas da Ria

E sussurra-me ao ouvido:

“Esta água cercada de espesso caniçal

É mar que se esquece da sua existência 

Calmo território dos amantes

Que amenizam as agruras da vida

Navegando

Nas suas águas serenas

Confessando a sua paixão!”

 

Mas o povo teima em dizer   

Que aquela água é um filho rebelde

Fruto de um amor clandestino

Do mar com a lua

 

E por isso

A Ria

Vive nos silêncios

Mas assumidamente

Amando o pai

Qual Electra dos tempos modernos     

Escuta os seus rugidos

As suas preces

Os seus excessos 

E nas noites de lua cheia

Fita a mãe brilhante e esplendorosa

Na sua firme resolução

De um escuro firmamento da noite

 

O braço

O canal

O satélite

Do mar

A ria…

Nas noites de inverno

Acorda alvoraçada

O vento forte, a chuva, a solidão

E o eco constante vindo do mar

Mas a Ria sossega  

Acaba adormecendo no regaço da vegetação

Que a embala contando estórias sem fim

Que a comovem e encantam

 

Mas no meio do canavial

Há um mundo enorme e desconhecido

De vidas microscópicas

Que nos observam

E é deslizando na aventura de uma viagem  

Pelas suas águas calmas e retemperadoras

Que encontramos um mundo abnegado

Em busca da sua própria liberdade

 

Mas o mar ameaça

Constantemente   

A liberdade da ria

 

O mar

É estrepitoso   

É Poderoso  

É Manipulador

É Violento

É Aterrador

 

A ria

Como uma enguia

Circunda no caudaloso recinto

Prolixo território de espécies vegetais

Que só proliferam em habitats como aquele 

 

Mas,

Resvala como gorduroso fio de azeite até ao mar

E este,

Que se assume ávido predador,

Traga-o num ápice

Sem se importar

Se a água que penetra no mar

É minha água

Ou

Água de outra água

E no exato instante em que a recebe

Faz daquela água

Sua própria água! 

* Designação da aldeia, puramente ficcionada pelo José Cardoso Pires, no livro “O Delfim”. 

 

 

 

 

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub