Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artimanhas do Diabo

Artimanhas do Diabo

LIBÉLULA

 

Curiosidades-da-Libélula.jpg

Sorrio

Num dia de luz resplandecente

Deambulo  

Voo

Como uma libélula:  

Abrandando

Acelerando,

Quase tocando

No infindo arvoredo

Que se ergue à sua frente

Que parece a velha muralha fortificada 

Em busca de uma áurea

De felicidade

De prosperidade

De coragem  

E eu

Ali no meio

Não me deixei tolher  

Nem acovardar

Pelos ditames…

Rodeei o que de mau

Se me deparava

No cimo da estrada

Entretive-me a observar o declive do terreno

Entrecortado

Pela imagem da feliz libélula

Que me saudou uma e outra vez

E quando esvoaçou

E ficou mais íntima

Tive a sensação de estar a ver um daqueles aparelhos

Que já fazem parte da história da aviação:

Umas asas gigantes

Um corpo

Longo

E delgado

Que parece frágil

Mas faz das fraquezas forças

Voando

Esvoaçando

Projetando-se no ar com aquele enorme olho

Que lhe dá o nome de tira-olhos!

Mas hoje

Esta libélula

Não sei porquê

Deixou-me em choque  

Trouxe-me

Deslizando como um delgado fio de areia

A solidão desesperada;  

Deambulei

E deparei-me

Gravado nas várias lápides

Com as últimas palavras

Dos que se finaram neste mundo

E foi então que me apercebi  

Que a libélula

Se recusou a entrar

No cemitério

Tórrido

De pedra  

Sem sombras nem descanso; 

E quando calcorreava o terreno enfileirado

Por sepulturas

Chamando

Repetidamente

Pelo teu nome

Mesmo sibilando

Nessa tua letra inicial

Não me respondente

E foi então que me apercebi

Que Já não estás ali

Nem aqui

Já não estás em parte nenhuma

E já nem a libélula

Te quer próxima

Ela que tem o dom da felicidade!  

Vives

Agora

No pó que se ergue

Soprado pelos ventos

Aborrecido

Entediado

Entrementes 

Deslocando-te

De árvore em árvore

De folha em folha

Fixando-te unicamente no verde

Que se escancara à tua frente  

Que incendeia esse teu olhar,

E não quer

A libélula

Viver assim

Voando simplesmente   

Mas sim refugiar-se  

Numa tranquila sombra dos dias mais quentes

Para amenizar a paixão

Que te serpenteia  

Como a libélula!  

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub