Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Artimanhas do Diabo

Artimanhas do Diabo

VIAJANDO NO BAIXO ALENTEJO

castro-verde-866499_960_720.jpg

Ferreira

Celeiro alentejano

Calor tórrido da planície

Erguem-se e ilumina-me o meu olhar

As árvores aprumadas que dão sombra e odor

Às lápides do cemitério

Onde chilreiam os pássaros

Onde se ouve o som do bom vento alentejano!

Beja

Castelo miradouro

Onde se alcança

Nos dias cristalinos

A alma dos alentejanos

Ruas que seguem os passos das vozes aceleradas que por ali se cruzam

No emaranhado edificado que dá caráter à cidade 

E a correr e de braços abertos

Avisto a Soror Mariana;

De repente,

Deslizo

Viajo até à saída de Beja

E saltitando vou embebecido

Caminhando até à Cuba…

Encho o meu peito de ar

Perscruto uma e outra vez

Desperto a minha alma

Até que se aproxima um coro de homens

Qual legião romana

Embraçados uns nos outros

A fazer soar os místicos acordes

Do belíssimo cante alentejano

Então,

Como uma fada a esvoaçar,   

Passa por cima como que a levitar

 A Mitó

E saúdo-a:

Auf Wiedersehen Prinzessin!

De Cuba ao Alvito

É um abalo de pensamento

E nos dias de feira

Nesse dia de finados

Sai-se com a alma rejuvenescida

De tanto comprar

De tanto comover

Com a graça e simplicidade das boas gentes; 

Por fim,

À Vidiguera…

Perdida na planície

Ao entardecer

Oliveiras que se agitam a saudar os viajantes

Um copo de vinho

Que se resplandece nos dedos das mãos

Que adocica as gargantas para cantar

Menina estás à janela…

Acabo celebrando a calma alentejana

Que só existe

E que só ali sobrevive

E o vento

Aquele vento

Na planície não me saí da memória!

 

A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. Quando o visitante sentou na areia da praia e disse:
“Não há mais o que ver”, saiba que não era assim. O fim de uma viagem é apenas o começo de outra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na primavera o que se vira no verão, ver de dia o que se viu de noite, com o sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para repetir e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre.”

José Saramago 

 

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub